NSMS

Dois monges em peregrinação iam passando por um rio. Lá avistaram uma menina vestida com toda a elegância, obviamente sem saber o que fazer,  já que o rio estava alto e ela não queria estragar suas roupas. Sem mais cerimônias, um dos monges levou-a nas costas, atravessou-a e depositou-a em solo seco do outro lado.
Então os monges continuaram seu caminho. Porém o outro monge, depois de uma hora, começou a reclamar: — "Com certeza não é certo tocar uma mulher; é contra os mandamentos ter contato íntimo com mulheres. Como você pode ir contra a lei dos monges?
O monge que carregara a menina seguia em frente em silêncio, mas finalmente observou:   — "Eu a deixei no rio há uma hora. Por que você ainda a está carregando?"

Irmgard Schloegl

Senhor,
quisera
neste  Natal
armar uma
árvore dentro do
meu coração e nela
pendurar, em  vez de
presentes, os nomes de
todos os meus
amigos. Os amigos de longe e
os de perto. Os antigos e os mais
recentes. Os que vejo a cada dia e os
que raramente encontro. Os sempre lembrados
e os que as vezes
ficam esquecidos. Os
constantes e os intermitentes.
Os das horas difíceis e os das horas
alegres. Os que sem querer magoei ou,
sem querer me magoaram. Aqueles a quem
conheço profundamente e aqueles que me são
conhecidos apenas pelas aparências. Os que pouco
me devem e aqueles
a quem muito devo. Meus
amigos humildes e meus amigos
importantes. Os nomes de todos os
que já passaram pela minha vida. Uma
árvore de raízes muito profundas, para que
seus nomes nunca mais sejam arrancados do
meu coração. De ramos muito extensos, para que
novos nomes, vindos de todas as partes, venham juntar-se
aos existentes. De sombra
muito agradável, para que nossa
amizade seja um momento de repouso,
nas lutas da vida. Que o natal esteja vivo em cada dia
do ano novo que se inicia, para que as luzes e cores da vida
estejam presentes em toda a nossa existência e concretizem, com
a ajuda de Deus, todos os nossos desejos. Feliz Natal !
Feliz Natal !
Feliz Natal !
Feliz Natal !

UM DIA!

Um dia, não importa o dia, não importa o ano, nem mesmo a hora.

Um dia, os homens despertarão para a vida e descobrirão o verdadeiro sentido de viver.

Um dia, será possível o vizinho da frente ser amigo do vizinho do lado. Será possível o ser humano entender que ser humano é humano, não é máquina, às vezes erra e por isso deverá ser perdoado. Será possível ver as pessoas sorrindo, saudando umas as outras.

Um dia será possível amar o sol, agradecer a chuva, será possível repartir o pão.

Um dia, não importa quando, será possível visitar um doente sem que ele seja nosso parente. Será possível visitar orfanatos e cárceres. Será possível amar, sem procurar motivos para isso.

Um dia, será possível fazer elogios sinceros e recebê-los igualmente. Será possível se alegrar com a alegria do outro. E se sentir amado, dando amor ao outro.

Nesse dia, muitos continuarão tendo o supérfluo e todos possuirão pelo menos restritamente o necessário.

Um dia, não importa o dia, valerão mais e mais ações e boas intenções que puramente um gesto bonito.

Um dia, não haverá nenhum dos quaisquer tipo de preconceito que hoje existe.

Todo amor será permitido, toda luta valorizada.

A vida deixará de ser um campo de batalha pela sobrevivência para se tornar um templo de amor.

O homem de negócios terá tempo para pensar no próximo, o político encarará seu cargo como oportunidade de fazer algo a seu semelhante.

Um dia, não importa quando, os 365 dias do ano serão vividos como se fosse NATAL, com pessoas se confraternizando, desejando o bem comum, comemorando-os.

E o dia 25 de Dezembro será como o dia do nascimento de um menino que nos dá tanto e que como presente, daremos a ele a alegria de nos ver vivendo como uma grande família e única, todos na perfeita união.

E as luzes que se acendem em nossos corações se fundirão numa única LUZ, representando o imenso amor de Deus.

Um dia.... quem sabe um dia... !!!!!

Não precisamos esperar por um dia...

Ele pode ser agora.

Um velho avô disse a seu neto, que veio a ele com raiva de um amigo que lhe havia feito uma injustiça:

  — "Deixe-me contar-lhe uma história. Eu mesmo, algumas vezes, senti grande ódio daqueles que "aprontaram" tanto, sem qualquer arrependimento daquilo que fizeram.              Todavia, o ódio corrói você, mas não fere seu inimigo. É o mesmo que tomar veneno, desejando que seu inimigo morra.  Lutei muitas vezes contra estes sentimentos".

E ele continuou: — "É como se existissem dois lobos dentro de mim. Um deles é bom e não magoa.   Ele vive em harmonia com todos ao redor dele e não se ofende quando não se teve intenção de ofender. Ele só lutará quando for certo fazer isto, e da maneira correta. Mas, o outro lobo, ah!, este é cheio de raiva. Mesmo as pequeninas coisas o lançam num ataque de ira! Ele briga com todos, o tempo todo, sem qualquer motivo. Ele não pode pensar porque sua raiva e seu ódio são muito grandes. É uma raiva inútil, pois sua raiva não irá mudar coisa alguma! Algumas vezes é difícil de conviver com estes dois lobos dentro de mim, pois ambos tentam dominar meu espírito".

O garoto olhou intensamente nos olhos de seu avô e perguntou: —"Qual deles vence, vovô?"

O avô sorriu e respondeu baixinho:

"Aquele que eu alimento mais freqüentemente".

Par De Asas

Existe uma história de simplicidade linda, que eu gostaria de contar, uma lenda, um acalanto! Não sei se é verdade e não me importo com isso, não precisa ser!

Foi há muito tempo atrás, depois do mundo ser criado e da vida completá-lo. Um dia em uma tarde de céu azul e calor ameno um encontro entre Deus e um de seus incontáveis anjos! Acredita?

Deus estava sentado calado sob a sombra de um pé de jabuticaba. Lentamente sem pecado Deus erguia suas mãos e então colhia uma ou outra fruta. Saboreava sua criação negra e adocicada. Fechava os olhos e pensava, permitia-se um sorriso piedoso, mantinha seu olhar complacente.

Foi então que das nuvens um de seus muitos arcanjos desceu e veio em sua direção. Já ouviu a voz de um anjo? É como o canto de mil baleias. É como o pranto de todas as crianças do mundo. É como o sussurro da brisa. Ele tinha asas lindas brancas imaculadas! Ajoelhou-se aos pés de Deus e falou: "Senhor visitei sua criação como pediu fui a todos os cantos estive no sul, no norte no leste e oeste!. Vi e fiz parte de todas as coisas. Observei cada uma de suas crianças humanas e por ter visto vim até o Senhor para tentar entender. Por que cada uma das pessoas sobre a terra tem apenas uma asa? Nós anjos temos duas asas podemos ir até o amor que o Senhor representa sempre que desejamos. Podemos voar para a liberdade sempre que quisermos. Mas os humanos com sua única asa não podem voar. Não podem voar com apenas uma asa!"

Deus, na brandura dos gestos, respondeu pacientemente ao seu anjo: "Sim... eu sei disso. Sei que fiz os humanos com apenas uma asa!".

Intrigado com a consciência absoluta de seu Senhor, o anjo queria entender e perguntou: "Mas por que o Senhor deu aos homens apenas uma asa quando são necessárias duas asas para poder voar, para poder ser livre?".

Conhecedor que era de todas as respostas, Deus não teve pressa para falar. Comeu outra jabuticaba escura e suave, então respondeu: "Eles podem voar sim meu anjo. Dei aos humanos apenas uma asa para que eles pudessem voar mais e melhor que Eu ou vocês meus arcanjos! Para voar meu amigo você precisa de suas duas asas embora livre sempre estará sozinho. Talvez da mesma maneira que Eu! Mas os humanos, os humanos com sua única asa precisarão sempre dar as mãos para alguém a fim de terem suas duas asas. Cada um deles tem na verdade um par de asas, uma outra asa em algum lugar do mundo que completa o par! Assim eles aprenderão a se respeitar, pois ao quebrar a única asa de outra pessoa podem estar acabando com as suas próprias chances de voar. Assim, meu anjo, eles aprenderão a amar verdadeiramente outra pessoa, aprenderão que somente se permitindo amar eles poderão voar. Tocando a mão de outra pessoa em um abraço correto e afetuoso eles poderão encontrar a asa que lhes falta e poderão finalmente voar. Somente através do amor irão chegar até onde estou assim como você meu anjo! Eles nunca, nunca estarão sozinhos quando forem voar!"

Deus silenciou em seu sorriso. O anjo compreendeu o que não precisava ser dito. E assim sendo, no fim desse conto, espero que um dia você encontre a sua outra asa para finalmente poder voar.


Alberto Monteiro Alves

Que Tipo de Pessoas Vive neste lugar?

Conta uma popular lenda do Oriente, que um jovem chegou à beira de um oásis, junto a um povoado e, aproximando-se de um velho, perguntou-lhe:

— Que tipo de pessoas vive neste lugar?

— Que tipo de pessoa vive no lugar de onde você vem? - Perguntou por sua vez o ancião.

— Oh! Um grupo de egoístas e malvados - replicou-lhe o rapaz - estou satisfeito de haver saído de lá.

A isso o velho replicou: — a mesma coisa você haverá de encontrar por aqui.

No mesmo dia, um outro jovem se acercou do oásis para beber água e vendo o ancião perguntou-lhe:

— Que tipo de pessoas vive por aqui?

O velho respondeu com a mesma pergunta:

— Que tipo de pessoas vive no lugar de onde você vem?

O rapaz respondeu:

— Um magnífico grupo de pessoas, amigas, honestas, hospitaleiras. Fiquei muito triste por ter de deixá-las.

O mesmo encontrará por aqui, respondeu o ancião.

Um homem que havia escutado as duas conversas perguntou ao velho: — Como é possível dar respostas tão diferentes à mesma pergunta?

Ao que o velho respondeu:

— Cada um carrega no seu coração o meio ambiente em que vive. Aquele que nada encontrou de bom nos lugares por onde passou, não poderá encontrar outra coisa por aqui. Aquele que encontrou amigos ali, também os encontrará aqui. Somos todos viajantes no tempo e o futuro de cada um de nós está escrito no passado. Ou seja, cada um encontra na vida exatamente aquilo que traz dentro de si mesmo. O ambiente, o presente e o futuro somos nós que criamos e isso só depende de nós mesmos.

PONTO DE VISTA

Certa vez, dois homens estavam seriamente doentes na mesma enfermaria de um grande hospital. O cômodo era bastante pequeno e nele havia uma janela que dava para o mundo.
Um dos homens tinha, como arte do seu tratamento, permissão para sentar-se na cama por uma hora durante as tardes ( algo a ver com a drenagem de fluido de seus pulmões ).
Sua cama ficava perto da janela. O outro, contudo, tinha de passar todo o seu tempo deitado de barriga para cima. Todas as tardes, quando o homem cuja cama ficava perto da janela era colocado em posição sentada, ele passava o tempo descrevendo o que via lá fora.
A janela aparentemente dava para um parque onde havia um lago. Haviam patos e cisnes no lago, e as crianças iam atirar-lhes pão e colocar na água barcos de brinquedo. Jovens namorados caminhavam de mãos dadas entre as árvores, e haviam flores, gramados e jogos de bola. E ao fundo, por trás da fileira de árvores, avistava-se o belo contorno dos prédios da cidade.
O homem deitado ouvia o sentado descrever tudo isso, apreciando todos os minutos. Ouviu sobre como uma criança quase caiu no lago e sobre como as garotas estavam bonitas em seus vestidos de verão. As descrições do seu amigo eventualmente o fizeram sentir que quase podia ver o que estava acontecendo lá fora...
Então, em uma bela tarde, ocorreu-lhe um pensamento: Por que o homem que ficava perto da janela deveria ter todo o prazer de ver o que estava acontecendo? Por que ele não podia ter essa chance?
Sentiu-se envergonhado, mas quanto mais tentava não pensar assim, mais queria uma mudança.
Faria qualquer coisa!
Numa noite, enquanto olhava para o teto, o outro homem subitamente acordou tossindo e sufocando, suas mãos procurando o botão que faria a enfermeira vir correndo. Mas ele o observou sem se mover... mesmo quando o som de respiração parou.
De manhã, a enfermeira encontrou o outro homem morto e, silenciosamente, levou embora o seu corpo.
Logo que pareceu apropriado, o homem perguntou se poderia ser colocado na cama perto da janela. Então colocaram-no lá, aconchegaram-no sob as cobertas e fizeram com que se sentisse bastante confortável. No minuto em que saíram, ele apoiou-se sobre um cotovelo, com dificuldade e sentindo muita dor, e olhou para fora da janela.
Viu apenas um muro...

OBRA DE ARTE

Deus não rogou uma praga para você ser tímido
distraído ou confuso.
Ele lhe proporcionou todas as ferramentas,
para você completar sua criação.
Perguntado sobre como era criar uma obra de arte,
Michellângelo respondeu:
"Dentro da pedra já existe uma obra de arte.
Eu apenas tiro o excesso do mármore."
Dentro de você já existe uma linda obra de arte,
a mais bela do universo.
Seu grande desafio é tirar o excesso de mármore
e completá-la.
Nós somos os artistas da nossa criação.
A grande verdade é que você é a pessoa
que escolhe ser.
Todos os dias você decide
se continua do jeito que é
ou muda.
A grande glória do ser humano
é poder participar de sua auto-criação.

Roberto Shinyashiki
do livro O Sucesso é ser Feliz

DESEJO

Desejo, primeiro, que você ame,
e que amando, também, seja amado.
E que se não for, seja breve em esquecer.
E esquecendo não guarde mágoa.
Desejo, pois, que não seja assim,
mas se for, saiba ser sem se desesperar.
Desejo também que tenha amigos,
que mesmo maus e inconseqüentes,
sejam corajosos e fiéis.
E que em pelo menos num deles
você possa confiar sem duvidar.
E porque a vida é assim,
desejo ainda que você tenha inimigos;
nem muitos, nem poucos,
mas na medida certa para que, algumas vezes,
você se interpele a respeito de suas próprias certezas.
E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo,
Para que você não se sinta demasiado seguro.
Desejo depois que você seja útil,
mas não insubstituível. E que nos maus momentos,
quando não restar mais nada
essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.
Desejo ainda que você seja tolerante;
não com os que erram pouco, porque isto é fácil,
mas com os que erram muito e irremediavelmente.
E que fazendo bom uso dessa tolerância,
você sirva de exemplo aos outros.
Desejo que você sendo jovem
não amadureça depressa demais,
e que sendo maduro, não insista em rejuvenescer.
E que sendo velho não se dedique ao desespero.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e
é preciso deixar que eles escorram por entre nós.
Desejo por sinal que você seja triste;
não o ano todo, mas apenas um dia.
Mas que nesse dia descubra que o riso diário é bom,
o riso habitual é insosso e o riso constante é insano.
Desejo que você descubra, com o máximo de urgência,
acima e a despeito de tudo, que existem oprimidos,
injustiçados e infelizes, e que estão à sua volta.
Desejo ainda que você afague um gato,
alimente um cuco e ouça o João-de-Barro erguer
triunfante o seu canto matinal.
Porque assim, você se sentirá bem por nada.
Desejo também que você plante uma semente,
por mais minúscula que seja, e acompanhe seu crescimento.
Para que você saiba de quantas muitas vidas é feita uma árvore.
Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro,
porque é preciso ser prático.
E que pelo menos uma vez por ano
coloque um pouco dele na sua frente e diga "Isso é meu",
só para que fique bem claro quem é o dono de quem.
Desejo também que nenhum dos seus afetos morra,
por ele, e por você, mas que se morrer, você possa chorar
sem se lamentar e sofrer sem se culpar.
Desejo, por fim, que você, sendo um homem
tenha uma boa mulher.
E que, sendo uma mulher, tenha um bom homem.
E que se amem hoje, amanhã e no dia seguinte.
E quando estiverem exaustos e sorridentes,
ainda haja amor para recomeçar.
E se tudo isso acontecer
não tenho nada mais a te desejar.

Victor Hugo

SEJA VOCÊ O JUIZ!

Satã convocou uma convenção mundial. Em seu discurso de abertura disse ele a seus anjos perversos:
- Nós não conseguimos impedir que os cristãos rezem. Nós não conseguimos impedir que leiam suas bíblias e conheçam a verdade. Nós nem mesmo conseguimos impedi-los de tentar construir um intimo, obediente e experiente relacionamento com Cristo. Mas, se realmente eles conseguirem essa conexão com Jesus, nossa força sobre eles estará destruída. Assim, deixe-os rezar, deixe-os ter seus estilos de vida; Mas roube seu tempo, assim não poderão ganhar esse relacionamento com Jesus. Isto é o que eu quero que façam, anjos. Distraia-os de conquistar a proteção de seu salvador e de manter essa conexão vital durante todo seu dia!
- Como faremos isto? - gritou um de seus perversos anjos.
- Mantenha-os ocupados nas coisas não essenciais da vida e inventem inúmeros esquemas para ocupar suas mentes. Respondeu. E continuou,
- Tente-os para gastar, gastar, e gastar, e para pedir, pedir, pedir.
Convença as esposas à ficarem horas trabalhando e aos maridos a ficarem no trabalho 6 ou 7 dias por semana, 10 a 12 horas por dia, para que assim tenham recursos para seus vazios estilos de vida. Evite que tenham tempo para passar com suas crianças. Sua famílias ficarão fragmentadas e, logo, seu lar não oferecerá nenhum refúgio às pressões do trabalho!
- Estimule suas mentes de modo que não possam mais ouvir aquela voz baixinha. Seduza-os para ouvir constantemente o rádio ou o CD em suas casas. E veja que cada loja e restaurante no mundo toquem músicas do momento, constantemente. Isto atolará suas mentes e romperá essa união com Cristo.
- Encha a mesa do café com revistas e jornais. Martele suas mentes com notícias 24 horas por dia. Invada seus momentos ao volante com outdoors.
Inunde suas caixas postais com catálogos, panfletos e todo tipo de boletins de propaganda e de revistas grátis oferecendo promoções, assim os maridos acreditarão que a beleza externa é que é importante, e ficarão descontentes com suas esposas.
- Ha! Isso destruirá estas famílias rapidamente!
- Até mesmo na recreação, deixe que seja excessiva. Tenha-os de retorno da recreação esgotados, inquietos e despreparados para a semana que inicia. Não os deixe ir à natureza refletir sobre as maravilhas de Deus. Mande-os aos parques de diversão, aos eventos esportivos, aos concertos e, preferivelmente, aos filmes.
- Mantenha-os ocupados, ocupados, ocupados. E quando se reunirem em encontros da igreja, envolva-os em bisbilhotices e conversas fúteis de modo que saiam com a consciência incomodada e a emoção alterada.
- Vá em frente! Deixe-os se envolver em salvar a alma. Mas aglomere suas vidas com muitas causas para que não tenham nenhum tempo para procurar a força de Cristo. Logo estarão trabalhando em sua própria lápide, sacrificando sua saúde e família para o bem da causa.
- VAI DAR CERTO! VAI FUNCIONAR!
E estava encerrada a convenção. E os perversos anjos foram ansiosamente executar suas atribuições, fazendo com que todos, em toda parte, ficassem ocupados, ocupados, ocupados e correndo apressados de lá pra cá e de cá pra lá.
E eu faço a pergunta: O diabo foi bem sucedido em seu esquema?

Seja você o juiz...

Um jovem e bem sucedido executivo dirigia por sua vizinhança, correndo um pouco demais em seu novo Jaguar. Observando crianças se lançando entre os carros estacionados, diminuiu um pouco a velocidade, quando achou ter visto algo. Enquanto passava, nenhuma criança apareceu. De repente um tijolo espatifou-se na porta lateral do Jaguar! Freou bruscamente e deu ré até o lugar de onde teria vindo o tijolo. Saltou do carro e pegou bruscamente uma criança, empurrando-a contra um veículo estacionado e gritou:
"Por que isso? Quem é você? Que besteira você pensa que está fazendo? Este é um carro novo e caro, aquele tijolo que você jogou vai me custar muito dinheiro. Por que você fez isto?"
"Por favor, senhor, me desculpe, eu não sabia mais o que fazer! Ninguém estava disposto a parar e me atender..." neste momento, lágrimas corriam do rosto do garoto, enquanto apontava na direção dos carros estacionados. "Meu irmão desceu sem freio e caiu de sua cadeira de rodas e eu não consigo levantá-lo sozinho."
Soluçando, o menino perguntou ao executivo:
"O senhor poderia me ajudar a recolocá-lo em sua cadeira de rodas? Ele está machucado e é muito pesado para mim."
Movido internamente muito além das palavras, o jovem motorista, engolindo um "não mesmo" dirigiu-se ao jovenzinho, colocando-o em sua cadeira de rodas. Tirou seu lenço, limpou as feridas e arranhões, verificando se tudo estava bem.
"Obrigado, e que Deus possa abençoá-lo" a criança disse a ele. O homem então viu o menino se distanciar... empurrando o irmão em direção à casa.
Foi um longo caminho de volta para o Jaguar... um longo e lento caminho de volta. Ele nunca consertou a porta amassada. Deixou-a amassada para lembrá-lo de não ir tão rápido pela vida, que alguém tivesse que atirar um tijolo para obter a sua atenção.
Deus sussura em nossas mentes e fala aos nossos corações. Algumas vezes quando nós não temos tempo de ouvir, Ele tem de jogar um tijolo em nós. E a escolha é nossa: ouvir o sussurro ou esperar pelo tijolo! E lembre-se que as tempestades da vida (enfermidades, problemas, financeiros, conflitos, etc.) podem ser gritos de Deus procurando chamar a nossa atenção.

O Nó e o Laço
 
Meu Deus!!! Como é engraçado!...
Eu nunca tinha reparado como é curioso um laço...
Uma fita dando voltas? Se enrosca...
Mas não se embola , vira, revira, circula e pronto: está
dado o abraço.
É assim que é o abraço: coração com coração, tudo isso
cercado de braço.
 
É assim que é o laço:
um abraço no presente, no cabelo, no vestido, em
qualquer coisa onde o faço.
E quando puxo uma ponta, o que é que acontece?
Vai escorregando devagarinho, desmancha, desfaz o abraço.
Solta o presente, o cabelo, fica solto no vestido.
E na fita que curioso, não faltou nem um pedaço.
Ah! Então é assim o amor, a amizade.
Tudo que é sentimento?
Como um pedaço de fita?
Enrosca, segura um pouquinho, mas pode se desfazer a
qualquer hora, deixando livre as duas bandas do laço.
 
Por isso é que se diz: laço afetivo, laço de amizade.
E quando alguém briga, então se diz - romperam-se os
laços.- E saem as duas partes, igual meus pedaços de
fita, sem perder nenhum pedaço.
 
Então o amor é isso...
Não prende, não escraviza, não aperta, não sufoca.
Porque quando vira nó, já deixou de ser um laço.


As pessoas ficam procurando o amor como solução para todos os seus problemas quando, na realidade, o amor é a recompensa por você ter resolvido os seus problemas.” (Norman Mailer)

Um certo homem plantou uma rosa e passou a regá-la constantemente e, antes que ela desabrochasse, ele a examinou. Ele viu o botão que em breve desabrocharia, mas notou espinhos sobre o talo e pensou, "Como pode uma bela flor vir de uma planta rodeada de espinhos tão afiados? Entristecido por este pensamento, ele se recusou a regar a rosa, e, antes que estivesse pronta para desabrochar, ela morreu.

Assim é com muitas pessoas. Dentro de cada alma há uma rosa: as qualidades dadas por Deus e plantadas em nós crescendo em meio aos espinhos de nossas faltas. Muitos de nós olhamos para nós mesmos e vemos apenas os espinhos, os defeitos. Nós nos desesperamos, achando que nada de bom pode vir de nosso interior. Nós nos recusamos a regar o bem dentro de nós, e, consequentemente, isso morre. Nós nunca percebemos o nosso potencial.

Algumas pessoas não vêem a rosa dentro delas mesmas; alguém mais deve mostrá-la a elas.

Um dos maiores dons que uma pessoa pode possuir ou compartilhar é ser capaz de passar pelos espinhos e encontrar a rosa dentro de outras pessoas.

Esta é a característica do amor — olhar uma pessoa e conhecer suas verdadeiras faltas. Aceitar aquela pessoa em sua vida, enquanto reconhece a beleza em sua alma e ajuda-a a perceber que ela pode superar suas aparentes imperfeições.

Se nós mostrarmos a essas pessoas a rosa, elas superarão seus próprios espinhos. Só assim elas poderão desabrochar muitas e muitas vezes.

A DECISÃO

Charles Chaplin além de um grande comediante, ainda legou mensagens que servem para reflexão: 
"Hoje levantei cedo pensando no que tenho a fazer, antes que o relógio marque meia-noite.
É minha função escolher que tipo de dia vou ter hoje.
Posso reclamar porque está chovendo ou agradecer às águas por lavarem a poluição.
Posso ficar triste por não ter dinheiro ou me sentir encorajado para administrar minhas finanças, evitando o desperdício.
Posso reclamar sobre minha saúde ou dar graças por estar vivo.
Posso me queixar dos meus pais por não terem me dado tudo o que eu queria,
ou posso ser grato por ter nascido.
Posso reclamar por ter que ir trabalhar ou agradecer por ter trabalho.
Posso sentir tédio com as tarefas da casa ou agradecer a Deus por ter um teto para morar.
Posso lamentar decepções com amigos ou me entusiasmar com a possibilidade de fazer novas amizades.
Se as coisas não saíram como planejei, posso ficar feliz por ter hoje pararecomeçar. O dia está na minha frente esperando para ser o que eu quiser. E aqui estou eu, o escultor que pode dar forma. Tudo depende de mim."

HISTÓRIA DO COTIDIANO

Não sei qual a origem desta “estória” . Tirei de um artigo pregado num quadro de avisos e , como achei interessante, achei por bem repassá-la:
Após ter sofrido um acidente de trabalho, um colaborador de uma empresa construtora preencheu o formulário exigido pelo departamento responsável pela área de segurança do trabalho.
Este formulário foi contestado pelo Engenheiro de Segurança, visto a causa do acidente não ter ficado muito bem explicada, pois o colaborador colocou como causa do acidente “eu quiz fazer o trabalho sozinho”.
O Engenheiro de Segurança solicitou ao acidentado mais explicações, e esse, do hospital, enviou uma correspondência com o seguinte teor:
Ao Departamento de Segurança do Trabalho:
Atendendo solicitações, venho por meio desta, prestar esclarecimentos adicionais sobre o preenchimento do formulário relativo ao acidente de trabalho do qual fui vítima.
Conforme o Senhor pode perceber, no campo 2 do formulário, sou pedreiro e estava trabalhando na obra do prédio novo, no sexto piso. Recebi a tarefa de completar a parede do escritório e depois limpar tudo, levando os tijolos que sobraram para baixo.
Quando terminei a tarefa, vi que sobraram mais ou menos uns 200 tijolos.
Em vez de pedir ajuda para levar tudo lá para baixo, resolvi levar eu mesmo, usando a cabeça.
Peguei um tambor bem grande, desses usados para lavar ferramentas e coloquei todos os tijolos dentro. Pela alça do tambor, amarrei uma corda e passei por uma carretilha que amarrei numa viga do sétimo piso. Joguei a outra ponta da corda lá pro terreno e desci, deixando o tambor bem na beiradinha da lage. Uma vez lá embaixo, dei um puxão na corda para que o tambor começasse a descer.
Como o Doutor pode ver no campo 10 do formulário, eu peso cerca de 47 quilos, sendo que um tambor daqueles , cheio de tijolos, deve pesar mais de 200 quilos. Antes que eu desse por mim, me vi sendo levantado , pois estava agarrado na corda. Felizmente eu não me soltei, pois já estava a mais de 5 metros do solo.
Mais ou menos na altura do terceiro piso eu encontrei o tambor que vinha descendo. A pancada bastante forte foi responsável pela quebra da minha mão esquerda e das contusões nos braços e na perna esquerda. Mas tive sorte, pois eu não soltei a corda e continuei subindo até que minhas mãos começaram a entrar pela carretilha adentro. Isto acabou de quebrar os outros dedos da mão esquerda e arrancar a pele das duas palmas. Com isso acontecendo, ainda não soltei a corda e aguentei firme.
Então, o tambor, finalmente chegou lá embaixo e eu pude ouvir o baque surdo seguido do estalo do fundo se desprendendo. Ora, sem o fundo, o tambor perdeu toda a carga de tijolos. Bem, o tambor assim pesa menos do que eu, de forma que ele começou a subir e eu a descer. Foi um alívio, pois eu já não aguentava mais de dor com as minhas mãos dentro da carretilha.
Ali pelas já conhecidas imediações do terceiro andar, eu encontrei o tambor que subia. Isto foi responsável pela quebra das duas pernas, arrancando do joelho esquerdo e fratura de seis costelas da frente, além do deslocamento do meu queixo.
Ainda assim tive sorte, pois a pancada com o tambor que subia, amorteceu a minha queda, de forma que quando eu cai na pilha de tijolos lá embaixo, a velocidade não era tão grande. Fraturei a coluna só em dois lugares e o traumatismo craniano foi de pequena monta.
Fiquei deitado lá embaixo, sobre a pilha de tijolos, sem saber o que fazer, meio acordado, meio desmaiado... Então soltei a corda... e lá veio o tambor.
Quando ele me encontrou, quebrou as duas pernas, a esquerda de novo, além de fraturar mais três ou quatro costelas e o braço direito (em dois lugares). Fiquei quase morto, deitado, quando a ponta da corda, que já tinha passado pela carretilha, caiu em cima do meu rosto, arrancando o meu olho esquerdo.
Por isso Doutor, eu atribuí a causa do acidente como:
“EU QUIZ FAZER O MEU TRABALHO SOZINHO”

Para você perceber o valor de um ano, pergunte a um estudante que repetiu de ano.
Para você perceber o valor de um mês, pergunte para uma mãe que teve o seu bebê prematuramente.
Para você perceber o valor de uma semana, pergunte a um editor de um jornal semanal.
Para você perceber o valor de uma hora, pergunte aos amantes que estão esperando para se encontrar.
Para você perceber o valor de um minuto, pergunte a uma pessoa que perdeu um trem.
Para você perceber o valor de um segundo, pergunte a uma pessoa que conseguiu evitar um acidente.
Valorize cada momento que você tem. E valorize mais porque você deve dividir com alguém especial o suficiente para gastar o seu tempo junto com você.

Lembre-se o tempo não espera por ninguém.
ONTEM SERÁ HISTÓRIA
O AMANHÃ SERÁ UM MISTÉRIO
O HOJE SERÁ UMA DÁDIVA.
Por isso será chamado Presente. Amigos são como joias raras... nos fazem sorrir e nos encorajam para o nosso sucesso. Eles emprestam o seu ouvido, dividem palavras de conforto, e sempre estão dispostos a abrir o coração para nós.
Mostre a seus amigos que você os estima muito.

"A vida é um sonho e a morte o despertar" Goethe.

NS2008